• LNC-UNILA

Ensaio Clínico: Alzheimer

O Laboratório de Neurofarmacologia Clínica (LNC) da Universidade Federal da Integração Latino Americana (UNILA) juntamente com a Associação Brasileira de Apoio Cannabis Esperança (ABRACE) convidam pacientes com Alzheimer e seus familiares para participarem de um ensaio clínico.

O que é um ensaio clínico?

Ensaio clínico é um estudo experimental quando pesquisadores e médicos testam um novo medicamento ou um novo tratamento para alguma doença.

Qual medicamento será testado?

O medicamento testado será um óleo (extrato) à base da planta Cannabis sativa, popular maconha. Neste caso será um óleo rico em THC (tetrahidrocanabinol) e CBD (canabidiol). O medicamento será administrado em gotas, cada paciente tomará 10 gotas do medicamento antes de dormir uma vez por dia.

Este medicamento induz efeitos como os efeitos de fumar Cannabis?

Não. Trabalharemos com doses que são dezenas de vezes menor que a dose de um cigarro de Cannabis. Já temos experiência de dezenas de pacientes recebendo Cannabis em gotas e nenhum destes teve efeitos psicoativos semelhantes ao de fumar Cannabis. Além disso, deve-se citar que a Cannabis é um medicamento seguro, sem risco de causar morte e com baixíssimo risco de indução de efeitos adversos graves, embora, eles possam ocorrer.

Qual a origem deste medicamento?

O fornecedor deste medicamento é a ABRACE. A ABRACE é uma associação localizada em João Pessoa, na Paraíba, que cultiva e produz medicamentos a partir da Cannabis há 4 anos. A responsabilidade técnica do medicamento é do farmacêutico Murilo Gouvêa, da ABRACE. Mais informações você pode obter em www.abraceesperanca.org.br.

Quem conduzirá este estudo?

O estudo será conduzido pelo LNC. O LNC é um laboratório de pesquisa da UNILA, localizado em Foz do Iguaçu, Paraná, que está ligado ao curso de Medicina e ao Mestrado em Biociências desta universidade. O coordenador geral do ensaio clínico é o prof Dr Francisney Nascimento. O médico responsável pelo estudo é o prof Dr Elton Gomes da Silva. Este projeto faz parte do mestrado do biólogo, interno de Medicina e mestrando em Biociências, Rafael de Morais Cury, que será o pesquisador principal do estudo. Além destes profissionais, outros médicos, biomédicos, farmacêuticos, químicos e estudantes trabalharão neste projeto.

Existe algum custo para participar deste estudo?

Não. Este ensaio clínico é totalmente gratuito, os pacientes não receberão e nem pagarão nenhuma quantia financeira para participar.

Onde será realizado este estudo?

Este estudo será realizado na cidade de Foz do Iguaçu, Paraná, no campus da UNILA e no Hospital Municipal Padre Germano Lauck.

Quanto tempo durará este estudo? Com qual frequência o paciente será avaliado?

O ensaio clínico terá duração de 12 meses (1 ano). Cada paciente será avaliado pelo menos uma vez por mês, ou seja, o paciente deverá vir até a universidade a cada 30 dias.

Este estudo foi autorizado por um Comitê de Ética?

Sim, este estudo foi submetido ao sistema Plataforma Brasil e foi aprovado pelo comitê de ética de pesquisa em humanos sob número CAEE 09713219.9.0000.0107.

Como faço para que meu familiar ou amigo que tem Alzheimer possa se inscrever e participar do estudo?

Infelizmente temos vagas limitadas para este estudo. Então teremos que realizar uma avaliação prévia dos pacientes para a seleção para o estudo. O primeiro passo é enviar um email para laboratório.neurofarmacologia@unila.edu.br com as informações do paciente.

Quais informações do paciente devo enviar para que ele possa ser um candidato a participar do estudo?

Por favor, nos informe no email:

- Um celular para contato com whatsapp;

- Idade do paciente;

- Outras patologias (doenças), se existentes;

- Quanto tempo há de diagnostico, ou quanto tempo há de início da suspeita;

- Local de residência;

- Confirmar a possibilidade de vinda para Foz do Iguaçu 1 vez por mês e durante um ano pelo menos;

Preciso enviar cópia de exames por email?

Sim, precisaremos de cópias dos exames do paciente que podem ser enviados pelo email ou após o nosso contato por whatsapp. Os exames que necessitarão ser apresentados são:

- Medicações em uso;

- Glicemia;

- Hemograma;

- Uréia e creatinina;

- Enzimas hepáticas;

- Exames da tireóide (T4 livre e TSH);

- Dosagem vitamina B12;

- Cálcio sérico;

- Sorologia para sífilis;

- Exame de imagem (tomografia ou ressonância magnética)

- E qualquer outro exame que foi realizado para a definição do diagnostico ou suspeita de Alzheimer

Precisamos lembrar sempre que, embora existam evidências e relatos que a Cannabis pode ajudar no tratamento do Alzheimer, este será um estudo experimental e, portanto, não há nenhuma garantia que de fato o tratamento ajudará o paciente. Ainda não existe nenhum estudo do tipo ensaio clínico, como esse que faremos, que demonstra que de fato a Cannabis é eficaz no tratamento do Alzheimer. Por isso, o nosso objetivo é testar este medicamento em um estudo amplo, longo e sério como este, para avaliar a longo prazo o efeito da Cannabis sobre o Alzheimer. Como qualquer estudo experimental, o tratamento pode funcionar ou não.

Destacamos também que todos os profissionais envolvidos neste projeto são funcionários ou alunos da UNILA, uma universidade pública e federal de Foz do Iguaçu. Este estudo é um projeto científico e mais de 95% da ciência brasileira é realizada pelas universidade públicas. Então, use, desfrute e defenda a universidade pública.


Equipe LNC

293 visualizações1 comentário
Logo_preto_Proex_editado.png
LOGO-1200X1200-LAB-NEUROFARMACO-UNILA.pn
  • Facebook
  • YouTube
  • Instagram

(45) 3529-9326

©2019 by Laboratório de Neurofarmacologia Clínica - UNILA.

Projeto de Extensão PJ050-2019 da Universidade Federal da Integração Latino-Americana

Programa de Pós Graduação em Biociências

Responsável: Francisney Pinto do Nascimento, PhD

 

 

Todos os conteúdos aqui publicados representam o resultado de pesquisas científicas devidamente defendidas, publicadas e/ou submetida à pares ou são resultado de consulta de fontes consideradas confiáveis. Todos os conteúdos são de responsabilidade de seus autores e editores, não representando posições institucionais da UNILA, que responde por meio de sua Secretaria de Comunicação Social.