top of page
  • César Lanzoni

Ayahuasca: o que é e por que é utilizada?

Atualizado: 19 de dez. de 2019



Você com certeza já ouviu falar sobre algum tipo de chá que tinha propriedades para curar gripes, resfriados e dores. Mas, você já ouviu falar sobre um chá que é capaz de curar até mesmo a depressão? Isso é o que novos estudos vêm demonstrando a respeito da ayahuasca.


Conhecida pelos povos nativos da América há séculos, a ayahuasca tem sido utilizada como remédio em cultos religiosos e ritos de passagem por diversas tribos ao longo de todo o continente. Essas práticas se reduziram muito após a colonização européia da América, mas em algumas regiões mais afastadas da Amazônia, o consumo do chá se manteve da forma tradicional. Esses grupos conseguiram manter a tradição viva e, em 1946, o brasileiro Oswaldo Gonçalves de Lima conseguiu isolar a substância psicodélica presente na bebida e iniciar pesquisas sobre suas propriedades.


O “chá do Santo Daime”, como também é conhecida, é feito a partir de duas plantas. A primeira é o Jagube, uma espécie de cipó que libera moléculas chamadas de beta-carbolinas. A segunda é a Chacrona, uma planta cujas folhas liberam o DMT, responsável pelo efeito alucinógeno.


Essas duas plantas são necessárias porque nosso corpo destrói as moléculas de DMT muito rápido quando estão sozinhas, antes mesmo delas fazerem efeito. As beta-carbolinas conseguem “desativar o sistema de segurança” que destruiria essas moléculas e permitem então que o DMT chegue ao cérebro, onde fará efeito. Além disso, essas moléculas têm efeitos terapêuticos para depressão e ansiedade parecidos com os efeitos de alguns antidepressivos, aumentando o tempo de ação da serotonina no cérebro. Este neurotransmissor é responsável pela regulação do humor, sono, apetite e outras sensações corporais. Sua duração prolongada consegue amenizar os sintomas causados pela depressão, transtornos de ansiedade e dependência química.


Já o DMT tem a ação psicodélica, que promove alucinações, pensamentos acelerados e introspecção. Usuários relatam experiências parecidas com sonhos, revendo pessoas e lugares conhecidos ou relembrando acontecimentos passados. A introspecção que segue o efeito alucinatório promove reflexão em problemas pessoais, aflorando emoções intensas e permitindo novas compreensões sobre eventos traumáticos.


O DMT também pode permitir a criação de novos neurônios, segundo estudos feitos em laboratório, de forma que a experiência com a Ayahuasca pode gravar no cérebro as novas compreensões estimuladas pela alucinação, traçando um novo caminho por onde nossa lembrança é processada. Este “reset” em grupos neuronais pode alterar os sentimentos associados a uma memória, através da ressignificação de experiências, traumas e fatos que possam ter contribuído para um quadro depressivo. Voluntários que fizeram uso da ayahuasca relatam que, durante e após a experiência, houve um processo de introspecção que os levou a entender melhor determinados fatos que consideravam como “feridas abertas”. O exato mecanismo pelo qual a substância age é incerto, mas é fato que acontece.


Hoje, no Brasil, o uso da Ayahuasca é restrito para fins religiosos, sendo proibido seu uso para fins recreativos ou medicinais. Com o avanço das pesquisas e o crescente número de evidências sobre seus potenciais de tratamento, a Ayahuasca é uma forte representante dos promissores fármacos psicodélicos. Você pode ler mais sobre medicina psicodélica clicando na aba "Blog" do nosso site.

278 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo
bottom of page